terça-feira, 14 de julho de 2015

A Braços Dados

Sobe a voz e
Nunca mais.
Nunca mais
Que o meu tom.

Mature a vida
No mundo grande
Pequeno demais
Para nós dois

Quanta calma tem
Seu medo de existir
Em braços que só circulavam
Entorno de ti.

          e

Circulavam de ti
Entorno de abraços
E circundavam os meus.


Élio Braga.

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Ciclumano

Eu mato
Tu morres
Ele vinga
Nós morremos
Vós felizes
Eles matam


Tommas D'artoya

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Sonho de Março

A Bossa nasceu no
Som do mês de
Março florindo
Em tons dissonantes

No ano do acorde,
Da cor forte,
Cortando as saudades
Do que era antes
E que continua lá.

Hoje é gratidão
Que toca em meu rádio
Nos momentos em que não tocam
Felicidade e harmonia num ritmo
Inato de toda uma paixão.


Élio Braga.